A Incerteza do movimento de uma bola Oval "¿Qué clase de mundo es éste que puede mandar máquinas a Marte y no hace nada para detener el asesinato de un ser humano?" José Saramago

Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009
José Saramago - O caminho de Salomão

 

 



publicado por blogoval às 15:07
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 6 de Dezembro de 2008
Manuel Maria Carrilho - Opinião no DN

 

"Assim é a lei da vida, triunfo e olvido"

(p. 71)



Em Janeiro deste ano, fui a Lanzarote ver a exposição "A Consistência dos Sonhos", sobre a obra de José Saramago. Ele estava então muito doente, mas quando o fui visitar à clínica onde estava internado a minha surpresa não foi tanto com a sua extrema magreza (a Pilar tinha-me prevenido!), mas com a força, a intensidade que acompanhava cada uma das suas palavras.



Foi nessa ocasião que pela primeira vez o ouvi falar do tema do elefante, do livro que gostaria de poder escrever a propósito dessa bizarra oferta dos reis de Portugal ao arquiduque da Áustria. Fiquei então com a impressão, que não podia deixar de ser enigmática, de que a vida de Saramago se encontrava intimamente ligada ao destino dessa obra.



Em Abril, "A Consistência dos Sonhos" veio para Lisboa, para o Palácio da Ajuda. Diferentemente do que acontecera em Lan-zarote, onde ela se distribuía por diversos espaços, a sua apresentação em conjunto num só local melhorou muito o que já era uma notável exposição, das melhores que alguma vez vi sobre a obra de um escritor. Mérito de Fernando Gómez de Aguillera, que soube combinar, num minucioso e imaginativo trabalho de organização, uma rara erudição com um agudo sentido pedagógico e estético.



Nessa altura já José Saramago estava muito recuperado, e avançava n'

A Viagem do Elefante

. Mas vi-o muito preocupado com a falta de tempo e de disponibilidade para se dedicar à escrita como queria. E, quando, passados cerca de três meses, regressou a Lanzarote, percebi pelo modo como falava do seu novo livro que ele já não era um projecto mas uma certeza, que só precisava agora da magia da sua ilha para chegar ao fim.



Quando há semanas Zeferino Coelho me convidou para colaborar na sessão de lançamento de

A Viagem do Elefante

, participando com António Mega Ferreira numa conversa com José Saramago, não pude deixar de evocar todo este trajecto. E também, ao preparar essa conversa, de pensar no que Saramago quis dizer com este livro, no que ele acrescenta à sua obra, que "mensagem" ele quis insinuar ao seu leitor.



O livro surpreende, como já tem sido referido, devido ao forte contraste entre a gravidade do estado de saúde por que passou Saramago e a ironia com que foi escrito. O mais interessante não é, contudo, este trabalho - sabiamente catártico - da ironia, mas o modo como ela se tornou no mecanismo narrativo central de toda a prodigiosa aventura do elefante Salomão.



Viagem que, situando-se temporalmente no século XVI, no período de consagração da "literatura de viagens" que procurava revelar o Novo Mundo, opta no entanto por um caminho bem diferente, o de perscrutar o homem "de sempre", nas suas variadas ambições e nas suas múltiplas fragilidades. Num contexto histórico que, situando-se próximo da crise que no século XVI levou à perda da independência nacional, não pode deixar de evocar o declinante esplendor de Portugal.



É por isso particularmente significativo que, embora a viagem seja, e com naturalidade, uma metáfora da vida, o elefante Salomão não apareça nesta obra como o símbolo do que quer que seja: de sabedoria ou de força, "à oriental", de lentidão ou de falta de jeito, "à ocidental". Ou ainda, em leituras mais "filosóficas", de tenacidade ou de estoicismo. Ele é apenas um animal que faz a sua vida na ignorância do que os outros pensam ou querem dele. E também do que mais tarde farão dele, que foi o aspecto que, segundo confissão do próprio, mais estimulou Saramago: "O que mais me interessou na história deste elefante foi o fim que ele teve, quando depois de morrer lhe cortaram a patas para servir de bengaleiro à entrada do palácio e lá porem as bengalas, os chapéus e as sombrinhas." (

JL

, 5/18 Novembro).



A recusa de atribuir um qualquer simbolismo forte ao elefante traduz a lúcida rejeição de qualquer antropomorfização do animal. Por isso ele não fala, não pensa, apenas se pode suspeitar que "percebe" o seu cornaca, pelo menos quando se trata de satisfazer a encomenda de certos milagres... É que "cada um é para o que nasceu, mas há que contar sempre com a possibilidade de nos aparecerem pela frente excepções importantes" (p. 211). Foi uma destas inesperadas excepções que, mais uma vez, José Saramago não deixou escapar.



publicado por blogoval às 10:09
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


posts recentes

José Saramago - O caminho...

Manuel Maria Carrilho - O...

arquivos

Janeiro 2015

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

josé saramago(93)

outros cadernos de saramago(81)

benfica(61)

mundial de futebol(22)

carlos queiroz(9)

cavaco silva(9)

josé sócrates(9)

manuel joão vieira(9)

selecção nacional(9)

liga2010/11(8)

estrela da amadora(7)

futebol(7)

jorge jesus(7)

josé mourinho(7)

tsf(7)

500 metal(6)

carlos cruz(6)

casa pia(6)

champions league(6)

heavy metal(6)

saramago(5)

25abril(4)

antónio feio(4)

crise(4)

henricartoon(4)

manowar(4)

pedro passos coelho(4)

portugal(4)

sporting(4)

balas e bolinhos(3)

carl sagan(3)

casamento gay(3)

cosmos(3)

inter de milão(3)

luis freitas lobo(3)

papa(3)

pedro abrunhosa(3)

politica(3)

psd(3)

roberto(3)

socrates(3)

agostinho da silva(2)

apito dourado(2)

arrábida(2)

atletismo(2)

baltasar garzón(2)

campeões(2)

cuba(2)

educação(2)

elefante(2)

emperor(2)

enapá2000(2)

festa do avante(2)

fpf(2)

frança(2)

governo(2)

iraque(2)

iron maiden(2)

israel(2)

metallica(2)

passos coelho(2)

playboy(2)

portagens(2)

porto(2)

ps(2)

pt(2)

real madrid(2)

ricardo rodrigues(2)

sócrates(2)

tgv(2)

troika(2)

zeca afonso(2)

1.º maio(1)

100 anos(1)

11/9(1)

2010(1)

86 anos(1)

abril(1)

acidentes(1)

aeroportos(1)

agências de rating(1)

aimar(1)

alentejo(1)

álvaro cunhal(1)

ambiente(1)

aminatou haidar(1)

animação(1)

ano morte ricardo reis(1)

antena1(1)

avante(1)

barack obama(1)

bento xvi(1)

bertolt brecht(1)

bes(1)

biblioteca nacional(1)

blind guardian(1)

blog(1)

bnp(1)

bp(1)

braga(1)

todas as tags

links
«Viagem a Portugal» - José Saramago

Ver Viagem a Portugal - José Saramago num mapa maior
Counter
blogs SAPO
subscrever feeds